Portal do Butantan

ENTRE ASPAS
As vacinas foram muito importantes e cumpriram seu papel em reduzir a mortalidade e os casos graves da Covid-19. Sem elas, nós teríamos hoje três vezes mais mortes do que tivemos.
Edison Durigon
virologista e professor da USP, responsável por isolar a primeira amostra de coronavírus no Brasil

VOCÊ SABIA?
Você sabia que a CoronaVac, vacina do Butantan contra a Covid-19, é a vacina com menos efeitos adversos das que estão sendo administradas no Brasil?

Em diversos públicos, a CoronaVac é a vacina com menos efeitos adversos comprovados em pesquisas e, quando há, são leves como dor no braço, fadiga e febre baixa, ou seja, não precisam de hospitalização. Um estudo publicado na revista científica Lancet Infectious Diseases em agosto de 2021, mostrou que a vacina causou eventos adversos em apenas 29% a 33% das pessoas imunizadas. Outro estudo publicado na revista Vaccines, mostrou que comparada às vacinas de RNA mensageiro, a CoronaVac também causou poucos eventos adversos. O estudo contou com 1.129 pessoas imunizadas com CoronaVac, e apenas 48,1% delas relataram efeitos adversos, diferente da vacina de RNA mensageiro que teve 969 pessoas e houve notificação de 82,7%.


#FATO Butantan vai produzir medicamento contra doenças autoimunes. Em parceria com a Sandoz, o instituto iniciou a transferência tecnológica para produzir o anticorpo monoclonal adalimumabe, usado para tratar doenças como artrite reumatoide e psoríase. Em novembro de 2022, as instituições fecharam um contrato com o Ministério da Saúde para o fornecimento de 398 mil unidades do medicamento ao SUS.


#FATO Vacina contra HPV é segura e previne vários tipos de câncer. No mercado há 16 anos, o imunizante já se provou seguro e eficaz, podendo ser administrado com segurança inclusive em indivíduos imunossuprimidos. O HPV é responsável por quase 100% dos casos de câncer de colo de útero, mas também pode levar a outros tipos de câncer, como anal, de vulva, de vagina, de pênis e de orofaringe. 


#FAKE Diretor da OMS ainda não foi vacinado contra a Covid-19. Tedros Adhanon tomou a vacina em 12 de maio de 2021, em Genebra, na Suíça, conforme mostra foto divulgada por ele em sua conta no Twitter. A mensagem falsa que circula nas redes foi uma fala cortada e tirada de contexto, na qual Tedros afirma que, embora tivesse oportunidade de tomar a vacina em dezembro de 2020, optou por vacinar-se apenas em maio de 2021, ao mesmo tempo que os profissionais de saúde da Etiópia, seu país de origem. Foi uma forma de protesto contra a desigualdade global na distribuição de vacinas.


#FAKE Mortes de três médicos de hospital canadense têm relação com vacina contra a Covid-19. Os profissionais da saúde do Trillium Health Hospital citados no boato morreram em decorrência de outras doenças e não por terem recebido a quarta dose da vacina. Os óbitos não têm relação alguma com o imunizante, conforme informou o hospital em suas redes sociais oficiais. Dois dos médicos estavam com câncer e o terceiro estava gravemente doente.


VÍDEOS