Dengue: desafios para uma vacina

 

 Editor de Conteúdo ‭[1]‬

 
A Vacina Dengue Butantan é o resultado do tipo de ciência transdisciplinar produzido no Instituto, que graças às parcerias fundamentais com o NIH (National Institutes of Health), o Instituto Adolfo Lutz, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) – Instituto Central e Instituto da Criança, e o fomento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), desenvolve a pesquisa da vacina dengue e agora inicia a fase III de ensaios clínicos, que, a se confirmar os resultados extremamente positivos das fases anteriores, será uma contribuição de grande vulto para a saúde pública.

A vacina avança agora para os testes necessários para a aplicação e produção em larga escala. Em breve teremos os resultados definitivos. No momento, o Butantan se prepara para os testes em todo o território nacional, contando com a participação decisiva de milhares de voluntários empenhados na vitória da Vacina Dengue Butantan. Um rigoroso processo precisa ser seguido para que uma vacina possa ser disponibilizada. Antes de ser oferecida à população, a vacina é estudada em modelos animais (estudos pré-clínicos). Em seguida, ela precisa ser estudada em humanos (estudos clínicos). Na fase I, o objetivo é demonstrar que a vacina está apta a ser utilizada em humanos. Em seguida, na fase II, observa-se a capacidade da vacina em  estimular o sistema imunológico para a produção de anticorpos. Por fim, na fase III, busca-se a comprovação de que a pessoa vacinada está protegida contra a infecção. Na primeira, uma pequena produção de vacina com os 4 vírus atenuados foi feita nos EUA para avaliar sua segurança nas pessoas. Uma vez demonstrada a segurança, esses vírus foram encaminhados ao Instituto Butantan para o aprimoramento e produção da vacina e posterior realização dos estudos clínicos. Logo depois, ao receber os vírus da vacina, o Butantan desenvolveu uma técnica para que ela durasse mais de um ano e pudesse ser usada como qualquer outra vacina. Finalmente terão início os estudos de fase III, que podem confirmar sua eficácia.

Cumprida o protocolo da ciência responsável, teremos uma vacina capaz de combater, com apenas uma dose, os quatro vírus da dengue. Essa conquista será destaque na história da ciência brasileira, e o Instituto Butantan afirmará mais uma vez a importância de uma instituição pública à frente da produção de imunobiológicos.

Por fim, o Instituto agradece os 17 mil voluntários da fase III, sem os quais não será possível comprovar a eficácia da vacina. Ainda estão abertas as inscrições. Venha você também fazer parte da Vacina Dengue Butantan. Dê sua contribuição voluntária e cidadã para um projeto da ciência brasileira !

Parceiros

NIH – National Institutes of Health
http://www.nih.gov/

Instituto Adolfo Lutz
http://www.ial.sp.gov.br/

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
http://www.hc.fm.usp.br/

 

Links sugeridos
http://www.ioc.fiocruz.br/dengue/​

http://www.who.int/topics/dengue/en/

http://www.saude.sp.gov.br/sucen-superintendencia-de-controle-de-endemias/homepage/downloads/arquivos-dengue


http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=2991:oms-lanca-estrategia-global-prevencao-controle-dengue-2012-2020&Itemid=777​

 
 

 Editor de Conteúdo ‭[2]‬