Brasil conquista quatro medalhas na XIII Olimpíada Iberoamericana de Biologia realizada na Bolívia

O Brasil conquistou na última semana, duas medalhas de prata e duas de bronze na XIII Olimpíada Ibero-americana de Biologia. A competição, que foi disputada na Bolívia, na cidade de Cochabamba, entre os dias 9 e 13 de setembro de 2019, por 52 alunos oriundos de 13 países ibero-americanos, teve como objetivo incentivar e encontrar talentos nas diversas áreas de ciência e também da cultura, além de disseminar novos conhecimentos para a sociedade.

Os estudantes que representaram o Brasil na XIII Olimpíada Ibero-americana, foram classificados entre a 5ª e 8ª posição na fase nacional da Olimpíada Brasileira de Biologia de 2019, promovida pelo Butantan, com apoio de entidades de pesquisa.

Os alunos Thomas Haofu Yang (SP), Ana Bruna Salles Fonseca (SP), Erick Sampaio Andrade (CE) e Pedro Jatobá Arteiro (PE) foram os grandes destaques brasileiros na cidade de Cochambra, conquistando as medalhas de prata e bronze.

Na competição internacional, os estudantes fizeram provas teóricas e práticas, com conteúdos que envolviam toda a biologia.

A coordenadora da Olimpíada Brasileira de Biologia, a pesquisadora do Butantan Sonia de Andrade, contou que o Butantan teve papel fundamental para a conquista dos alunos. “O Instituto Butantan é a instituição organizadora e executora da Olimpíada Brasileira de Biologia, que seleciona e fornece capacitação prática para esses alunos que irão participar das Olimpíadas internacionais”, afirma pesquisadora.

 

 

 

 

 

 

 

(por Fernanda Ribeiro)