Butantan participa pela primeira vez da Bienal de Artes de São Paulo

O IB participa pela primeira vez este ano da Bienal de Artes de São Paulo, que acontece no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque do Ibirapuera, na capital paulista, até 09 de dezembro. O Instituto ministrou uma oficina de observação de pássaros para os artistas e também levou materiais do Observatório de Aves e do Museu Biológico para a exposição do artista conceitual americano Mark Dion, cujas instalações exploram o universo científico. 
Instituto Butantan na Bienal de Artes de São Paulo 
Diferente das outras 32 edições, a bienal adotou um modelo alternativo ao de temática única, com 12 projetos individuais selecionados pelo curador-geral Gabriel Pérez-Barreiro, exaltando a particularidade de cada artista e a compensação pessoal dos espectadores diante das obras. Mesmo assim, a exposição conta com sete mostras coletivas organizadas por artistas-curadores. 
O Butantan Notícias entrevistou a pesquisadora Erika Hingst-Zaher, que coordenou a participação do IB na Bienal. Ela explica por que meio ambiente e artes sempre estiveram ligados, na sua avaliação. Confira!  

BUTANTAN NOTÍCIAS - COMO SURGIU ESSA PARCERIA DO OBSERVATÓRIO DE PÁSSAROS DO INSTITUTO BUTANTAN COM A 33ª BIENAL DE ARTES DE SÃO PAULO? DE ONDE VEIO ESSA IDEIA?
ERIKA HINGST-ZAHER - No início do ano, um dos artistas convidados para a 33ª Bienal de SP nos procurou. Seu nome é Mark Dion e seu trabalho tem foco em aspectos da natureza e sua representação. Além de artista, Mark é observador de aves e fez uma visita ao Instituto Butantan, na qual pode conhecer a fauna e a flora do parque e, especialmente, nossas aves. Ao final da visita, ele sugeriu que seria interessante se pudéssemos participar de um dos módulos da bienal, que aconteceria em setembro deste ano e nos colocou em contato um dos curadores convidados. 

BN - O QUE O BUTANTAN LEVOU À BIENAL? HÁ ALGUMA EXPOSIÇÃO? 
ERIKA - Participamos por meio de oficinas que precederam à Bienal e em que foram envolvidos todos os artistas convidados. Também participamos expondo alguns dos nossos materiais na instalação de Mark Dion. O material produzido pela equipe do Museu Biológico para ser utilizado em caminhadas pelo parque e o Guia de Aves do Butantan fazem parte da instalação.

BN – COMO FORAM ESSAS OFICINAS? 
ERIKA - Nós participamos de 8 oficinas e ministramos uma delas. Promovemos uma caminhada guiada com os artistas e demais participantes para a observação de aves no Parque do Ibirapuera. Após a caminhada, explicamos a importância de colocar a lista de aves obtida à disposição de pesquisadores, utilizando a plataforma de ciência cidadã “eBird”. Fizemos a lista de espécies coletivamente, enviando-a para o Cornell Lab of Ornithology.

BN -  É A PRIMEIRA VEZ QUE O BUTANTAN PARTICIPA DA BIENAL? 
ERIKA - Sim, foi a primeira vez que fomos convidados

BN - ATÉ QUANDO VAI A NOSSA PARTICIPAÇÃO NO EVENTO E QUEM PODE VISITAR A EXPOSIÇÃO DO MARK DION PARA CONHECER TAMBÉM OS MATERIAIS DO IB?
ERIKA - Estaremos na Bienal até o final. O evento é aberto ao público gratuitamente e vai até 9 de dezembro de 2018.

BN - NA SUA OPINIÃO, POR QUE ESSA MISTURA MEIO AMBIENTE E ARTE É IMPORTANTE?
ERIKA - O Butantan e a ciência em geral tradicionalmente utilizaram as artes para representar e ilustrar as descrições científicas, especialmente antes da popularização da fotografia e das imagens digitais. Diversos artistas e ilustradores estiveram nos quadros de funcionários do Instituto Butantan no passado e, ainda hoje, artistas que têm como especialidade as ilustrações científicas são extremamente importantes para o apoio às publicações, como artigos, livros e manuais. Além disso, da mesma forma que a ciência, a arte permite uma apreciação da natureza que frequentemente aproxima as pessoas da conservação da biodiversidade, como a arte de Mark Dion, que tem um cunho fortemente zoológico e botânico.

Saiba como participar da Bienal de Artes de São Paulo: 
Quando? 
Até 9 de dezembro 
- terças, quartas, sextas, domingos e feriados – das 9h às 19h (entrada até às 18h) 
- quintas e sábados – das 9h às 22h (entrada até às 21h)
- fechado às segundas 
Onde? 
Pavilhão Ciccillo Matarazzo, Parque do Ibirapuera
Quanto? 
Entrada gratuita

(por Adriana Matiuzo)​​ ​