Exposições Temporárias

É uma tradição do Museu de Microbiologia realizar exposições temporárias ao longo dos seus 18 anos de existência. Por apresentarem temas atuais e relevantes ao grande público que as visitam,consideramos ser esta uma boa ferramenta de difusão do conhecimento.

 

Confira abaixo nossas exposições

Origem da Vida

2006 - Em parceria com o Museu de Zoologia, participou da exposição temporária “Origem da Vida” com empréstimo de acervo.  Larvas do Aedes através do microscópio, reconhecimento do mosquito transmissor Aedes aegypti em garrafas, etc. O visitante teve informações sobre a transmissão, período de incubação da doença, seus sintomas, e também sobre maneiras de se prevenir.

O mosquito nunca sai de férias

2007 - 2008 - “O mosquito nunca sai de férias”: esta miniexposição foi realizada entre os dias 10 de novembro de 2007 e 10 de fevereiro de 2008. Por meio de atividades interativas, vídeos, visualização de larvas através do microscópio, reconhecimento do mosquito transmissor Aedes aegypti entre outros, o visitante obtinha informações sobre a transmissão, período de incubação da doença, seus sintomas, e também sobre maneiras de se prevenir.

Biodiversidade no mundo microscópico

2008 - “Biodiversidade no mundo microscópico” em parceria com drª Vera Bononi do Instituto Botânico que tratava dos fungos microscópicos. Foi montada para a Semana do Meio Ambiente. Estima-se hoje que existam aproximadamente cerca de um milhão e setecentas mil espécies conhecidas, incluindo os microrganismos. O ser humano necessita de 40.000 espécies diferentes de microrganismos por dia para viver. Apesar do avanço das pesquisas e dos esforços dos cientistas, a biodiversidade dos microrganismos ainda é subestimada. Na exposição o visitante também poderia observar algumas espécies de algas e protozoários através do microscópio.

O Mundo Invisível dos Micróbios: Diversidade e Arte

2008 - 2009 - “O Mundo Invisível dos Micróbios: Diversidade e Arte”. Nessa exposição que permaneceu de outubro de 2008 até final de janeiro de 2009, o mundo invisível dos microrganismos torna-se evidente e sua biodiversidade salta aos olhos: fungos, bactérias, vírus e protozoários apresentam diferentes formas, exibem inúmeras estratégias de sobrevivência, utilizam-se de diversas substâncias e se relacionam com os seres humanos de maneiras múltiplas. O visitante fazia seu próprio micróbio usando luz e fotografando. 

Exposição Itinerante do Instituto

2009 - A “Exposição Itinerante do Instituto” ficou exposta no salão principal do Museu de fevereiro a maio. Mostrava o tripé que compõe o Instituto por meio de aparatos e ações interativas.

O mosquito nunca sai de férias

2009 - A partir de fevereiro uma nova edição de “O mosquito nunca sai de férias” agora incluindo além da Dengue, a Febre Amarela, cuja intenção foi mostrar a ação dos principais mosquitos transmissores dessas duas doenças nos meios urbano e rural. Esta exposição se estendeu até a 7ª Semana dos Museus de 17 e 23 de maio de 2009.

Epidemias: O Enfrentamento da Crise

2009 - O Museu de Microbiologia participou em uma das 10 estações de trabalho da 8ª Ação da Saúde da FMU realizada no Parque do Ibirapuera nos dias 12 e 13 de setembro, sob o tema “Epidemias: O Enfrentamento da Crise” com a exposição “O vírus H1N1 na mira da Ciência Brasileira”. O objetivo foi ajudar a população a entender desde o papel da educação no combate à crise até questões mais técnicas sobre mutação do vírus, qual o estágio à época e as perspectivas para a epidemia, as formas de prevenção e de tratamento da doença. Na exposição foram distribuídas cartilhas sendo a nossa uma delas.

O vírus H1N1 na mira da Ciência Brasileira

2009 - 2010- “O vírus H1N1 na mira da Ciência Brasileira” exposta de  outubro a fevereiro no espaço interno do Museu. Esta exposição teve dois objetivos. O primeiro, mostrar a atuação jornalística frente às epidemias por meio de dois painéis com recortes de jornais que mostram as semelhanças e diferenças entre a gripe espanhola ocorrida em 1918 e a H1N1 em 2009/2010. O segundo objetivo foi mostrar a importância da vacinação e para isso contou com um vídeo onde o entrevistado é o cientista Drº Isaias Raw

As Grandes Epidemias

2010 O Museu de Microbiologia inaugurou o espaço expositivo do Instituto, o antigo paiol, onde uma marcenaria funcionou no passado, com a exposição “As Grandes Epidemias”. Seu objetivo foi divulgar ao público em geral como o mundo enfrentou as principais epidemias que aconteceram no passado em virtude das péssimas condições sanitárias das cidades e da falta de conhecimento da etiologia das doenças. E, apesar do grande avanço da ciência e da tecnologia que marcou o século XX, olhando para o passado e diante do quadro que se vislumbra para o futuro, infelizmente observa-se que não foi possível acabar com muitas dessas doenças, e que também surgiram epidemias novas que são capazes de se alastrar pelo mundo. Foram abordadas “Peste”, Varíola, Meningite, Gripe e Aids. Seus vídeos encontram-se no site do Instituto.  Esta exposição foi reinaugurada em dezembro de 2012 ficando até maio de 2013 e depois foi para o Museu de Saúde Pública Emílio Ribas lá ficando por 6 meses.

Amigos, Amigos, Micróbios à Parte

2010 - 2011 – Inaugurou a exposição temporária “Amigos, Amigos, Micróbios à Parte!” na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia cuja finalidade foi informar sobre doenças que podem ser adquiridas pelas pessoas quando entram em contato com animais que convivem com o Homem. Painéis informativos, jogo multimídia interativo e slides com fotos em 3D fizeram  parte da Exposição. 

Hoje você é o cientista

2011 - Nesse pequeno espaço reservado às exposições temporárias, o Museu de Microbiologia apresentou a exposição “Hoje você é o cientista”. Por meio de uma atividade lúdica, os visitantes tiveram a oportunidade de tocar em uma réplica ampliada colocando a mão em um quadrado de EVA com um buraco na frente semifechado e descobrir um importante representante do Mundo da Microbiologia. Para registrar a descoberta os visitantes desenhavam o que sentiram ao tato e em seguida tiravam fotos colocando a cabeça em um boneco com avental branco, simulando ser um verdadeiro cientista. Um vídeo ressaltando a importância da vacinação complementava a exposição

Experimentação Arte & Ciência

2014 - O artista e o cientista apesar de trabalharem com universos diferentes apresentam em comum o processo da criação. Antes da realização da obra, ambos têm ideias, formulam hipóteses, criam imagens. A diferença está no processo de desempenho e no produto obtido. A exposição “Experimentação Arte & Ciência” da artista plástica Anita Colli resultou de um processo criativo de pesquisa com objetos tridimensionais feitos de materiais plásticos utilizados em laboratório científico. A mostra é parte de um conjunto maior de instalações[1]assemblages[2] reunidas em grupos denominados girolas, anelídeos, trilhas e cirandas.



[1] Instalações são maneiras de expor uma peça artística que perde sua autonomia quando muda de lugar.

[2] Assemblages são obras artísticas que mudam suas formas, mas sem perder o significado.

Prevenir ou Remediar

2015 – Emprestou seu espaço expositivo para colocar a mostra “Prevenir ou Remediar” realizada pelo cultural do Instituto em 2014 e que contava com  painéis que falavam das principais doenças que afligiram as pessoas enquanto o Brasil participava das diferentes copas do mundo em que foi campeão ou seja, 1958, 1962, 1970, 1994 e 2002.

Aeromicrobiologia - micróbios do ar

2016 - 2017- Em seus 14 anos de existência, o Museu de Microbiologia apresentou sua 14ª exposição temporária “Aeromicrobiologia - micróbios do ar”. De forma lúdica, o visitante invadia o espaço aéreo dos micróbios e era levado a refletir sobre a frase “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara - José Saramago”. Os microrganismos, presentes em toda parte, possuem o ar como uma das formas de dispersão. O vento, o movimento de objetos e de pessoas colaboram para a dispersão de partículas e consequentemente dos microrganismos que, devido à sua estrutura, tamanho e peso, podem ficar suspensos no ar por longos períodos até encontrarem uma superfície na qual possam se assentar e dar continuidade a seus ciclos de vida. Dentre as superfícies possíveis para o assentamento desses microrganismos estão: água, alimentos, matéria orgânica em decomposição e também seres humanos. Logo, é fundamental que as pessoas saibam que a convivência com os microrganismos é algo inevitável.

As Cientistas

2018 – Em comemoração ao Dia da Mulher, o Museu de Microbiologia fez uma mini exposição durante a semana toda intitulada “As Cientistas” enfocando as mulheres que foram importantes para a ciência e seu progresso.

HPV por dentro e por fora

2018 – “HPV por dentro e por fora” - O Museu de Microbiologia do Instituto Butantan realizou essa exposição temporária com o objetivo de apresentar ao público visitante do museu porque essa doença faz parte do programa nacional de vacinas e o papel do Instituto Butantan nesta ação. Para tal ela apresentava  ao público visitante o que é o HPV (papiloma vírus humano), como se transmite e como fazer para se prevenir. Também foi parte de atividades educativas focadas em alunos de Ensino Médio de escolas de Sorocaba, Osasco e São Paulo.

O que você sabe sobre a gripe?

2018 - “O que você sabe sobre a gripe?” uma mini exposição foi montada como participação na 16º Semana dos Museus de14 a 20 de maio. Com ela nasceu o mascote do Museu de Microbiologia, “O Gripinho” que fica ao lado de um Quiz na TV com 10 perguntas interagindo com o público visitante.

O que é Dengue e como combater

2018 - 2019 – A exposição “O que é Dengue e como combater” elaborada em 2015 pelas equipes que compõem o Centro de Desenvolvimento Cultural ficou exposta na frente do Museu de Microbiologia durante 2018 e 2019. Ela sintetizava a missão do Instituto Butantan uma vez que seus 3 pilares de atuação estavam ali representados (pesquisa, produção e difusão).Era composta por 3 totens a saber: O que é Dengue?; A vacina do Butantan; e Perguntas e Respostas.

Tamanho é documento?

2019 - Tamanho é documento? Em comemoração ao aniversário de 17 anos do Museu. Nesta mostra, os visitantes e colaboradores do Butantan tiveram a oportunidade de discutir sobre o que são microrganismos, manipular modelos e entender mais sobre cada um deles. Foram elaboradas representações em biscuit em tamanho maior para que o público pudesse observar as características e até tocar. De 23 de abril a 05 de maio.

O essencial é invisível aos olhos

2019 - O essencial é invisível aos olhos - A instalação cujo início foi na Semana do Meio Ambiente, teve como o objetivo mostrar a importância dos microrganismos na manutenção da vida no planeta e na dos seres humanos. Contou com diferentes estratégias de comunicação, como vitrines e vídeos para demonstrar a decomposição de alimentos, microscópios com lâminas contendo diferentes microrganismos e meios de cultura, com colônias diversas de fungos e bactérias, que possibilitaram ao visitante visualizar diferentes microrganismos e pequenos textos que falam sobre a importância dos mesmos. De 05 de junho a 07 de outubro

Histórias PositHIVas

2019 - Histórias PositHIVas - No plano de atividades de 2019 a equipe educativa do Museu de Microbiologia propôs inserir em sua programação o Dia Internacional de Luta contra o HIV, comemorado em 1º de dezembro. O objetivo desta instalação foi o de compartilhar por meio de áudios, os relatos das histórias de vida, as experiências e memórias de pessoas que tiveram suas trajetórias impactadas por se tornarem HIV positivas. Esta mostra foi inspirada no Museu da Empatia, instituição sediada em Londres, que traz reflexões sobre este tema por meio de relatos das experiências das pessoas. O Museu almeja fazer desta iniciativa uma ação contínua criando um acervo inédito, buscando dar visibilidade à população HIV positiva, possibilitar uma reflexão sobre como a infecção por HIV afeta as relações interpessoais destes sujeitos, abordando a temática partindo das experiências pessoais.